domingo, 20 de abril de 2008

Além do desespero, o saudosismo.




O homem é um animal tolo; acredita ser feliz quando não se conhece. Prefere viver fechado em seu casulo abafado a experimentar a dor de encontrar vias que favorecem a capacidade de pensar. Talvez falta coragem, como aquela de Adão e Eva que preferiram uma via crucis, mas livre, realmente livre, a viver naquele paraíso comodo e infantil, criado pelos homens com a finalidade de sustentar o destino da humanidade em viver como marionetes de Deus.


Aquele livro que outrora me levava a outros estilos hipócritas de vida já não me motiva mais. A sede é intensa; quero saciá- la. Qual homem não possue a sede de liberdade, por mais infame e transcedental ela seja?


Digo que Eva lutou por isso; Pandora também, e todas aquelas que procuraram em toda sua vida mitológica libertar nós homens de nossa existencia pacata. Admiro as mulheres por isso; talvez pelo fato de darem não à luz, mas livrar suas criaturas de um universo cômodo interior, mesmo que depois eles recaem numa sede alienada por seus deuses esculpidos em pedras e mentes.


Bom, já comecei a aceitar que a mudança ocorre quando menos espero; um algoz me dá constantemente reações de ânimo, e pelo calor que escorre do sangue percebo que ainda estou vivo.

Um comentário:

Murillo Rodrigues disse...

gostei muito dessa imagem...que quadro é esse????