quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Bate papo em Paquetá

Ah, se eu aguento ouvir
Outro não, quem sabe um talvez
Ou um sim
Eu mereço enfim.

É que eu já sei de cor
Qual o quê dos quais
E poréns, dos afins, pense bem
Ou não pense assim

Eu zanguei numa cisma, eu sei
Tanta birra é pirraça e só
Que essa teima era eu não vi
E hesitei, fiz o pior
Do amor amuleto que eu fiz
Deixei por aí
Descuidei dele, quase larguei
Quis deixar cair



Mas não deixei
Peguei no ar
E hoje eu sei
Sem você sou pá furada.

Ai! não me deixe aqui
O sereno dói
Eu sei, me perdi
Mas ei, só me acho em ti.

Que desfeita, intriga, uó!
Um capricho essa rixa; e mal
Do imbróglio que quiproquó
E disso, bem, fez-se esse nó.

E desse engodo eu vi luzir
De longe o teu farol
Minha ilha perdida é aí
O meu pôr do sol.

2 comentários:

Murillo Rodrigues disse...

nem acredito!!!



vi um romance aki!!!
meio "los hermanos" mas td bem...
jesuis te ama mesmo assim!

Alexandre Alves disse...

É! Los Hermanos.

Tu viu romance aonde, moço?
Sai pra lá com romance. Seculo XXI, o humanos preenche seus vazios com mais vazio. rsrsss